cidade-pinhais

Pinhais é um município brasileiro do estado do Paraná, localiza-se na Região Metropolitana de Curitiba. Tornou-se oficialmente um município em 1992, quando emancipou-se do município de Piraquara. Mesmo sendo o menor dos 399 municípios paranaenses,5 em área territorial, com 60,92 km², figura entre as 14 cidades mais populosas do estado, com uma população de 117.166 hab, segundo dados do IBGE-2010.

Pinhais se destaca no cenário nacional e estadual, em uma pesquisa realizada pela revista Exame, a cidade foi relacionada entre as 100 melhores cidades brasileiras para se fazer negócios, é a 14° maior economia do Paraná, consolidando-se como um importante pólo de serviços e comércio da região. Destaca-se também por possuir o 14° melhor IDH3 do Paraná, mais recentemente foi apontada como tendo o 3° IFDM do estado, índice elaborado pela FIRJAN – Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro que mede a qualidade de vida dos municípios brasileiros.

No cenário regional destaca-se por abrigar o Autódromo Internacional de Curitiba, o Expotrade, um dos maiores Centros de Convenções e Exposições do estado, a Granja do Canguiri, Residência Oficial do Governador do Paraná e por seus grandes condomínios horizontais, dentre os quais destacam-se o complexo Pineville e os loteamentos Alphaville Graciosa e Alphaville Pinheiros, ambos às margens da centenária Estrada da Graciosa.

Histórico

Por sua proximidade com Curitiba, o território do atual município de Pinhais acompanhou o correr dos fatos, durante a ocupação e desenvolvimento do planalto curitibano, tendo como centro a capital paranaense. Foi importante a construção da ferrovia Curitiba-Paranaguá, cortando a região na direção leste. Nas imediações de onde se situa a empresa Brasholanda, havia uma indústria cerâmica, de propriedade da família do sr. Joaquim Torres. A empresa foi adquirida, em meados de 1920, sob hipoteca, por Guilherme Weiss, que aperfeiçoou a técnica de produção. O conde Humberto Scarpa, genro de Guilherme Weiss, herdou a cerâmica, mantendo a produção até 1960. Mais tarde, organizou a imobiliária Rui Itiberê da Cunha, parcelando e pondo à venda as áreas de Weissópolis, Vargem Grande, Vila Esplanada e Vila Tarumã.

A história recente do município de Pinhais, liga-se com a história da ocupação urbana de Curitiba. Tendo como referência as políticas desenvolvimentistas adotadas no Brasil, em meados da década de 1950 em diante, o norte do Paraná foi cenário da expansão agrícola, inicialmente com o plantio de cafezais. O estímulo à agricultura graneleira (soja, trigo, milho e algodão), expandiu vertiginosamente a ocupação de terras no Estado, especialmente no norte novo e sudoeste, nas décadas de 1960 e 1970, consolidando o Paraná como o “Celeiro do Brasil”.

Esta agricultura expansiva, aliada à pecuária de corte, assentou-se na lavoura mecanizada, na formação de latifúndios, dispensando a mão-de-obra. Os trabalhadores rurais e mais os pequenos camponeses, expulsos do campo, viram-se na contingência de procurar a cidade, sempre num movimento da pequena para a média, e das médias cidades para os grandes centros urbanos.

Assim o município de Curitiba foi recebendo contingentes populacionais do interior do Estado, assim como de Santa Catarina, nestas últimas três décadas. Vinham atrás de empregos e outras oportunidades oferecidas pela grande cidade. Aliado a esses fenômenos, o controle do uso do solo urbano, desenvolvido pelo município de Curitiba, foi elevando o custo da terra, centrifugando a população de menor renda para a periferia, cada vez mais distante. Este processo de periferização atingiu as áreas limítrofes dos municípios vizinhos ao da capital, incluindo aí o atual município de Pinhais. Atualmente Pinhais constitui-se em um dos mais industrializados municípios do Estado.

Pela Lei Estadual nº 4.966, de 19 de novembro de 1964, sancionada pelo governador Ney Aminthas de Barros Braga, foi criado o Distrito Administrativo de Pinhais, e em 18 de março de 1992, através da Lei Estadual nº 9.906, assinada pelo governador Roberto Requião de Mello e Silva, o distrito foi elevado à categoria de município emancipado, cuja instalação deu-se em 1º de janeiro de 1993.

Estação ferroviária

A construção da Ferrovia Curitiba-Paraná em 1885 influenciou na formação de um pequeno povoado nas redondezas da estação de trem na região atualmente conhecida como Pinhais. Com base nos registros da Segunda Lei de Terras do Paraná, é possível trabalhar com a hipótese de que a Estação Ferroviária Pinhais tenha surgido para o tráfego do centro produtor de São José dos Pinhais, grande produtor de erva-mate, madeira e outras mercadorias. Esta teoria foi aceita pois a maioria dos registros sobre a Estação Pinhais da época, faziam menção à estrada que dava acesso à São José dos Pinhais. A construção da ferrovia e a inauguração da Estação Ferroviária Pinhais impulsionou a construção de uma pequena comunidade onde ficaram estabelecidos os responsáveis pela manutenção da estrada-de-ferro. Nesta época, já estavam estabelecidos um grupo de proprietários de terras na região. Estes, desenvolviam atividades de plantio e criavam animais, tendo como centro de consumo, a capital paranaense, localizada próxima à região. Estas propriedades localizavam-se próximas ao Rio Palmital, Atuba e Iraí.

Indústria cerâmica

Além da estação, outro fator para a formação do povoado foi a inauguração de uma indústria de cerâmica, em meados do ano 1885, logo após a construção da ferrovia e da estação. A princípio, a indústria cerâmica tinha como objetivo atender à região e arredores, como certos pontos em Curitiba, e também indústrias de tijolos e telhas. Por volta de 1912, Guilherme Weiss comprou a indústria da família Torres e deu início a um processo que transformou o estabelecimento em uma verdadeira potência. Com o novo proprietário, a indústria passou a importar novos maquinários e ampliou drasticamente a capacidade de produção. Quando estes novos equipamentos chegaram à indústria cerâmica foi necessário obter mão-de-obra especializada. A indústria tornou-se uma grande potência e foi necessário construir residências para os operários, formando uma pequena vila. Algumas famílias foram convidadas pelo próprio Guilherme Weiss, como a família Chalcoski, Kropzak e Pontella, que anteriormente trabalhavam na olaria dos irmãos Hauer, em Curitiba. Nesta época, outras famílias passaram a trabalhar na indústria, na fabricação de telhas e tijolos ou mesmo na extração de barro. Na pequena vila onde residiam os operários, localizavam-se também barracões e armazéns responsáveis pelo abastecimento de cereais e outros gêneros alimentícios. Guilherme Weiss veio a falecer em meados da década de 1930, fazendo com que o seu genro, Humberto Scarpa, assumisse a direção da indústria. A herança que Weiss deixou para Scarpa incluía a própria fábrica e suas terras, localizadas na região. Em meados da década de 1960, Scarpa desativou a indústria e iniciou um processo de loteamento, dando origem a muitos bairros que atualmente integram-se à Pinhais.

Indústria de cimento
Construída na década de 1940, a Estação Ferroviária de Pinhais era o pátio de cruzamento dos trens vindos do interior do estado em direção à capital.

Ainda no início da década de 1930, um grupo de empreendedores decidiu construir uma grande indústria de cimento na região, conhecida como Indústria de Cimento Portland Paraná. A escolha da região para estabelecer a indústria ocorreu devido à proximidade com Curitiba. A compra da área ocorreu oficialmente no início da década de 1930, sendo que em meados de 1933 começou a construção da estrutura da fábrica, juntamente das 33 casas para os operários. A indústria comprou equipamentos avançados importados da indústria europeia. Anos após 1945, foram trazidos os maquinários importados, via ferrovia que ligava Paranaguá com Curitiba. Durante este período (1930-1945), o Brasil passou a repensar o seu posicionamento de país agroexportador. Esta época foi caracterizada pela grande preocupação com a urgente implantação de uma indústria base (siderurgia, cimento, entre outros) que sustentasse a posterior formação de um parque industrial no país, independente do fornecimento da indústria estrangeira. Durante este período, os países responsáveis pelo fornecimento de trabalhos industriais ao Brasil, estavam travando a Segunda Guerra Mundial. Foi que o Brasil iniciou suas ideias de industrialização, interrompendo as importações de países estrangeiros industrializados, o que fortaleceu as indústrias de base. Embora, por motivos incertos, a indústria de cimento não chegou a iniciar as atividades de produção.

Mudanças territoriais

As delimitações de Curitiba estendiam-se, ocupando quase toda a extensão territorial da Região Metropolitana. Estas grandes e vastas terras continuaram pertencendo à capital até meados do século XIX, quando foram criados novos municípios. A área de Pinhais pertenceu também à capital, até o final do século XIX. No ano de 1890, uma parte de terras de Curitiba, inclusive Pinhais, ficou desmembrada, passando a ser propriedade do Município de Colombo, o que pode ser comprovado de acordo com o decreto nº71 de 31 de Janeiro de 1890, que fixou os limites do novo município. Durante este período (por volta de 1932), o Paraná estava sendo administrado pelo interventor Manuel Ribas, que promoveu mudanças no estado, inclusive as delimitações geográficas de vários municípios. Pinhais, que era propriedade de Colombo, passou a pertencer à Piraquara, sendo que Colombo voltou a pertencer aos limites de Curitiba. O decreto nº2505 de 27 de Outubro de 1932 fixou oficialmente o território de Pinhais à Piraquara. A partir da década de 1960, com o crescimento do povoado na região, a comunidade começou a reivindicar a instalação de serviços públicos locais. Alguns “pinhaienses” (como eram chamados) passaram a ingressar na ordem política de Piraquara, e devido à importância da região, Pinhais foi promovido à categoria de distrito em 21 de novembro de 1964. Na década de 70 e 80, o distrito abrangia uma enorme quantidade de pessoas, implicando demandas em vários setores. Para implantar a infraestrutura que suprisse as necessidades da população era necessário a organização e o gerenciamento de um poder público local. Consequentemente, no final do ano de 1991, foi realizado um plebiscito para ser verificado o interesse da população de Pinhais pela implantação de um Poder executivo e legislativo local. Esta consulta conteve um alto índice de aprovação, cerca de 20.456 votos de um total de 23.310 pessoas participantes, o que equivale a 87% de aprovação.

Pinhais torna-se município

O deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Aníbal Khury, determinou a criação do município de Pinhais, desmembrando-se de Piraquara. Pinhais tornou-se município oficialmente em 20 de Março de 1992, o que até atualmente, é data festiva do calendário pinhaiense. Em 1993, com o estabelecimento do Poder público local, o Poder Executivo passou a estabelecer metas de desenvolvimento para o município através das suas secretarias. Muitas questões e assuntos como saúde, educação, esporte, cultura, entre outros, foram discutidas em grupo.

Desde sua emancipação, Pinhais teve os seguintes prefeitos:

João Batista Costa: 1993—1996
Siegfrield Zico Böving: 1997—2000
Luis Cassiano de Castro Fernandes: 2001—2004, 2005—2006 (renunciou para concorrer a deputado estadual)
Mário Bonaldo: 2006—2008
Luiz Goularte Alves: 2009—2012,2013—2016

Turismo e cultura

Atualmente, o governo de Pinhais está investindo muito na cultura. No município estão sendo lançadas festivais, concursos e também, foi construído um centro cultural. Foi criado em 2006 o Festival de Teatro de Pinhais (FETEPI), que acontece anualmente, com o objetivo de apresentar teatros de qualidade direcionada para o público adulto e infantil. O festival tem como objetivo estimular as crianças e jovens que são premiados em diversas categorias.26 Em 2007 foi feito um Concurso de Fotografia, com o objetivo de mostrar o cotidiano da cidade; as imagens eram classificadas como amadoras ou profissionais, onde eram escolhidos três vencedores que ganhariam medalhas e prêmios.

Pinhais conta com o Centro Cultural Wanda dos Santos Mallmann, criado em 200528 e que possui 1.300 metros quadrados. O custo da obra foi de R$ 1.164.000,00,29 e atualmente, conta com gibiteca, videoteca, biblioteca direcionada para a população, exposições, e também disponibiliza cursos gratuitos para pessoas de todas as idades.

O escultor e pintor Luis Gagliastri fundou um centro cultural em um terreno de 73 mil metros quadrados, atualmente conhecido como Centro Cultural Gagliastri, local que possui ateliê de pintura, fundição de esculturas e memorial e trilhas com largos jardins de esculturas. Atualmente, o artista visa desenvolver novas técnicas de esculturas e lançar uma nova linha de design com peças utilitárias.

O Ateliê Corbellini é um espaço reservado para exibir um acervo diversificado de técnicas com pedras, resinas, metais, moldes, entre outras coisas. A nomeação do ateliê é dedicada ao artista plástico Luciano Corbellini, que desde sua infância, possuía intimidades com a arte.

O Parque Newton Freire Maia, é um espaço dedicado a divulgação científica e tecnológica, através de recursos didáticos, experimentos, ilustrações e multimídia, os monitores responsáveis explicam aos visitantes sobre os desenvolvimentos científicos, tecnológicos, matemáticos, geográficos, físicos, químicos, astronômicos, biológicos, entre outros assuntos.

A cidade abriga um dos maiores centros de exposições e convenções da Região Sul do Brasil, o Expotrade Convention Center. Com 34.000 m² de área construída, neste espaço ocorrem com frequência grandes shows e apresentações tanto a nível nacional como internacional (como o do Cirque du Soleil, em 2007, ou da banda Oasis, em 2009, e Iron Maiden, por exemplo), além de eventos importantes, como a reunião da COP-8 e da COP/MOP-3, em 2006.

Em agosto de 2009, foi executado o Primeiro Festival da Feijoada no município, promoção criada pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico através do Departamento de Turismo, que visa instituir um evento cultural em Pinhais.

A Linha Pinhais Turismo, um projeto da Secretaria de Desenvolvimento Econômico através do Departamento de Turismo, realiza visitas monitoradas aos atrativos turísticos do município de Pinhais, com um micro-ônibus de 26 lugares. O trajeto percorre o Roteiro Turístico Estrada Ecológica, localizado na Área de Proteção Ambiental do Iraí, que conta com atrativos e equipamentos turísticos para grupos das mais diversas idades e interesses e também os principais pontos do centro da cidade, incluindo o Bosque Municipal de Pinhais, a Igreja Nossa Senhora da Boa Esperança, a Feira Livre da Jacob Macanhan entre outros. O roteiro dura em média 4 horas e as paradas variam de acordo com o público e a disponibilidade dos empreendedores, pois é preciso agendamento prévio. Os passeios são agendados para as quartas e sextas-feiras, das 13h às 17h e com grupos de no mínimo 15 pessoas e máximo de 26 pessoas.

Galeria de fotos da cidade de Pinhais

Mapa da cidade de Pinhais

Vídeo sobre a cidade Pinhais